REGIÃO – Reunião da AMVARC debate instalação de pedágios no Vale do Caí

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Encontro reuniu deputado Issur, prefeitos de 12 cidades e secretário Extraordinário de Parceiras do Estado  

O deputado estadual Issur Koch participou nesta quarta-feira (07.07) da reunião da Associação dos Municípios do Vale do Rio Caí (AMVARC) para tratar sobre o remanejo e instalação de novos pedágios na região. O encontro, realizado no auditório do campus da Universidade de Caxias do Sul (UCS) de São Sebastião do Caí, contou com a participação do secretário Extraordinário de Parceiras do Estado, Leonardo Busatto, e reuniu prefeitos de 12 cidades do Vale.  

De acordo com o presidente da AMVARC e prefeito de Portão, Kiko Hoff, a entidade é contra a instalação de novos pedágios. “Não temos como aceitar essas mudanças assim, que estão sendo feitas a toque de caixa, justamente no momento em que a Empresa Gaúcha de Rodovia (EGR) está saindo e não sabemos como ficará a situação das rodovias. A instalação de pedágios é um atraso para qualquer município. Ninguém quer. Empresas não querem se instalar onde tem pedágio”, salienta. 

Divisão  

Segundo o secretário Busatto, a proposta do Estado é dividir o pedágio do quilômetro zero da RS-122, em Portão, em dois; um ficará na mesma rodovia e outro na RS-240. A possibilidade de uma praça de pedágio ser instalada em Capela de Santana revoltou o prefeito Alfredo Machado e o presidente da Câmara de Vereadores, Oziel Rangel.  

Falando em nome da comunidade e dos vereadores e de lideranças do município, Alfredo e Oziel foram duros em suas manifestações: “Não aceitamos este pedágio em Capela de Santana. O pedágio vai dividir a cidade, deixando 157 famílias de produtores rurais de um lado, enquanto a outra parte do município que precisa ir a Montenegro, também ficará isolada. Vamos tomar todas as medidas possíveis para que isso não ocorra, pois Capela já sofre há muito tempo com o pedágio em Portão. Quero deixar bem claro que não vamos aceitar isso”, definiu.  

Comunidade  

Oziel disse que falava em nome dos vereadores e da comunidade. “O Estado não dá voz para a população falar. A cidade tem muitos problemas e agora o governo quer dividir Capela ao meio. Estou aqui para emprestar minha voz à comunidade, que não aceita esta situação”, destacou.   

O deputado Issur Koch, que luta contra a instalação de novos pedágios no Estado, disse que, mais uma vez, o Estado conduz de maneira equivocada um assunto tão importante para os gaúchos. “Reforço minha indignação em relação à maneira como o governo conduziu, outra vez, uma situação tão importante para o cidadão, que vai ferir o bolso de todos nós por 30 anos.”  

O que disse o secretário  

De acordo com o secretário Extraordinário de Parcerias do Estado, a ideia inicial era que o pedágio ficasse em Montenegro. “Mas a partir de uma nova análise, a sugestão foi para que sua instalação ocorresse em Capela de Santana. Na reunião de hoje (quarta) ouvimos as lideranças, prefeitos, e vamos analisar a possibilidade dele ir para outro local.” 

A reunião teve as participações dos  prefeitos de Portão (Kiko Hoff), Vale Real (Pedro Kaspary), SS do Caí (Júlio Campani), Feliz (Junior Freiberger ), Alto Feliz ( Robes Schneider), Capela de Santana (Alfredo Machado), Montenegro (Gustavo Zanatta), Brochier (Clauro Josir de Carvalho), São José do Sul (Juli Bender), Pareci Novo (Paulo Alexandre Barth), São Pedro da Serra (Isabel Cornelius) e Salvador do Sul (Marco Eckert).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *