REGIÃO – Pacientes que receberam nebulização com hidroxicloroquina morrem em Camaquã

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Pessoas que receberam a medicação experimental apresentaram reações adversas algumas horas após a nebulização, conforme os prontuários  

Hospital em Camaquã onde ocorreram as fatalidades – Crédito: AgB

Camaquã – Três pacientes que receberam nebulização de cloroquina morreram no hospital Nossa Senhora Aparecida, em Camaquã. As mortes foram confirmadas nessa quarta-feira (24) pelo hospital. 

Segundo a instituição, os pacientes que receberam a medicação experimental têm documentado em prontuário taquicardia, ou arritmias, algumas horas após receberem a nebulização. “Dois deles já estavam em grave estado geral, com insuficiência respiratória em ventilação mecânica e um deles estava estável, recebendo oxigênio por máscara com boa evolução”, informou o hospital sobre os casos que evoluíram para óbito. 

A responsável pela realização do procedimento foi a médica que teve a atuação defendida pelo presidente Bolsonaro em uma rádio local no dia 19 de março deste ano. A profissional havia sido desligada do hospital no dia 17, após tentar obrigar uma equipe assistencial a aplicar, via inalação, uma solução com hidroxicloroquina manipulada por ela. 

Mesmo afastada do quadro da unidade, a profissional continuou oferecendo o tratamento aos pacientes que chegava na unidade, mas como não há comprovação científica sobre a eficácia da medicação, os médicos se recusavam a prescrevê-la.  

Autorização  

O tratamento só foi autorizado depois que a família de um dos pacientes conseguiu na Justiça uma liminar para receber a nebulização, com a condição de que a médica assumisse a assistência integral no caso. O hospital, então, firmou um termo de responsabilidade com essa e outras famílias de pacientes que tinham interesse no procedimento. No documento, eles declararam ter ciência de que não há comprovação científica a respeito do tratamento e se responsabilizaram, junto com a médica, pelas eventuais consequências.  

Relação  

Em nota, o hospital Nossa Senhora Aparecida informou que não é possível afirmar que houve relação direta entre os óbitos e a inalação com hidroxicloroquina. No entanto, não há nenhuma indicação de houve melhora. “Os indícios sugerem que (a nebulização) está contribuindo para a piora, porque todos os casos (de óbito) apresentaram reações adversas após o procedimento”, diz o comunicado. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *