Portão – Leco lamenta que concurso não tem vagas para educação

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook
Crédito: Divulgação.

Começou falho o concurso que a Prefeitura de Portão deu início, na última semana, ao publicar edital para contratar a empresa que será responsável por elaborar e aplicar as provas. Foi o que ressaltou Alexsandro Argenta, o Leco (MDB), na sessão desta segunda, dia 13. A maior preocupação dele é que não há nenhuma vaga prevista para a Secretaria da Educação: “Há várias escolas sendo ampliadas, mas elas também precisarão de professores. Hoje já tem falta de professor; tanto que alguns têm contrato desdobrado para suprir as horas”.

Outro problema apontado pelo vereador em relação ao certame é a disparidade salarial entre diferentes funções no quadro de servidores. “Para o cargo de agente administrativo, exige-se somente ensino fundamental incompleto e paga-se R$ 2.044,99 para 35h/semana, enquanto um secretário de escola precisa ter ensino médio completo e recebe, em média, R$ 1.600,00 com carga de 40h/semana”, compara.

Em seu discurso, Leco também enalteceu a Moção 05/2019, de sua autoria e apoiada por todos os colegas, em que é reivindicada a nomeação dos últimos candidatos aprovados no concurso da Brigada Militar. “Esta é uma medida importante diante do grande déficit de policiais. Inclusive Portão tem problema de baixo efetivo”, salientou o emedebista. O Estado tem apenas 19 mil PMs, quando o número adequado seria 37 mil.

Na Tribuna, o vereador ressaltou, ainda, o Pedido de Providência 73/2019, para que a Prefeitura instale no loteamento Varisco placas com os nomes das ruas Carazinho, Cachoeirinha e Santa Rosa. Por falta de identificação, os carteiros não entram nessas vias, embora o serviço postal exista no bairro. “Hoje os moradores vêm ao Correio pegar as correspondências. É uma questão simples de resolver, com baixo investimento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =