PAÍS – Bolsonaro diz que pode se filiar ao Progressistas visando eleições de 2022

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Presidente admitiu conversas adiantadas com o partido que já foi filiado no passado 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (20) que pode se filiar ao partido Progressistas. Em evento no Piauí, onde inaugurou uma ponte entre os municípios de Santa Filomena (PI) e Alto do Parnaíba (MA), Bolsonaro disse que o senador Ciro Nogueira (PP-PI) está o namorando. 

“Fui do partido Progressistas dele por muito tempo. Ele não ‘tá’ apaixonado por mim não, mas ‘tá’ me namorando. Quer que eu retorne ao partido. Quem sabe? Se ele for bom de papo. Não ‘‘ me fazendo de difícil não, é um grande partido”, disse Bolsonaro. 

Em discurso que antecipou o de Bolsonaro, o senador Ciro Nogueira lhe entregou uma pedra de opala com o mapa do Brasil “para o senhor levar no peito e lembrar desse dia tão importante para o povo do Piauí”. Em resposta, o presidente disse: “Acho que o Ciro está apaixonado”.  

Aliança pelo Brasil  

No mês passado, Bolsonaro reconheceu a apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada que “dificilmente” o partido Aliança pelo Brasil irá ser criado neste ano. Segundo ele, dois partidos estão sendo avaliados pela família presidencial para 2022. “Estou acertando, está na reta final, mas é igual casamento, não posso escolher. Tenho dois partidos em vista”, disse Bolsonaro a apoiadores na saída do Palácio do Alvorada em 06/05.

Concordância  

A legenda que será escolhida, porém, contará com a concordância dos filhos do presidente, que estavam atuando na linha de frente das negociações com o Patriotas, que avalia se fundir com o PTB, e com o PMB, que cogita mudar o nome para Brasil 35. 

A filiação a um partido é necessária para que o presidente esteja apto a disputar a reeleição em 2022 — de acordo com as regras da Justiça Eleitoral, o prazo máximo é até seis meses antes do pleito. Bolsonaro havia dito anteriormente que decidiria seu futuro partidário até março, o que não aconteceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *