Novo Hamburgo completa 94 anos de história na próxima segunda-feira

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Uma das maiores economias do Estado, município possui mais de 270 mil habitantes 

Cidade comemora 94 anos na próxima segunda-feira – Crédito: PMNH

Novo Hamburgo completa 94 anos na próxima segunda-feira. Situada no Vale do Sinos, a cidade conta com mais de 270 mil habitantes. Atualmente, Novo Hamburgo é uma das maiores economias do Estado, conquistando espaço no cenário regional e nacional.

História 

Antes da chegada dos primeiros europeus à região, no século XVI, a mesma era habitada por índios carijós. As primeiras povoações permanentes de Novo Hamburgo datam do século XVIII, quando portugueses, sendo maioritariamente imigrantes açorianos se instalaram na parte noroeste da cidade, no bairro hoje conhecido como Rincão dos Ilhéus, ou simplesmente Rincão. 

Em 25 de Julho de 1824, os imigrantes alemães começaram a chegar à Colônia de São Leopoldo e logo desenvolveram uma próspera sociedade rural na região do Vale dos Sinos. Pouco depois, começaram a aparecer pequenos núcleos urbanos nas colônias. Um deles ficava na área de Hamburgerberg (que hoje é o bairro Hamburgo Velho), a partir de onde se originou a Novo Hamburgo atual. A falta de recursos para concluir a estrada de ferro Porto Alegre-Hamburgerberg, em 1876, fez com que os ingleses que a construíam erguessem uma estação onde a obra parou, denominando-a New Hamburg-Novo Hamburgo. O local, até então um descampado, começou a atrair moradores e comércio, dando início à cidade.

Emancipação  

O movimento emancipacionista começou a se delinear no início dos anos 1920. A Liga Pró-vilamento, formada em 1926 por várias importantes personalidades da cidade, foi recebida pelo governador do estado e, em 5 de abril de 1927, houve a emancipação do município. Guilherme Ludwig foi eleito para o cargo de vice-intendente, sendo Leopoldo Petry o primeiro intendente de Novo Hamburgo. Por muito tempo, a indústria foi praticamente formada apenas pela cadeia coureiro-calçadista, com várias empresas de destaque. Até o momento atual, a cidade ainda é chamada de “capital nacional do calçado”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *