Instalação de central de tratamento preocupa moradores de Paquete

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Mesmo que empresa possua licença, moradores acreditam que atividade
pode gerar poluição do local.

Área onde deverá ser instalada a central de tratamento de efluentes

 

 

A instalação de uma Central de Tratamento de Efluentes na localidade
de Paquete, interior de Capela de Santana, está deixando os moradores
apreensivos. Eles temem que a operação possa trazer riscos ambientais
para o local que hoje é predominado pela vegetação e por atividades
agrícolas. Luiz Fernando Kroeff é morador do local e preocupa-se com o
que pode acontecer caso a instalação seja feita. Observando a
aproximação do Rio Caí, seu receio é que os resíduos contaminem a
água, o solo e prejudiquem as atividades exercidas pelas famílias da
região. Até dois anos atrás, não havia permissão legal para este tipo
de atividade no local, diz o morador. “A lei foi alterada e a
comunidade não soube disso”, completa o Luiz Fernando. A moradora e
vereadora, Loreni Domingas de Paris, ressalta a importância da
preservação do local, já que algumas famílias obtêm seu sustento com o
uso do solo através do plantio de arroz, moranguinhos e
hortifrutigranjeiros. “A gente busca uma qualidade de vida para os
moradores e não queremos a instalação dessa empresa”, diz a Loreni.
Apesar da importância de atrair empresas para a região, a
possibilidade de isso gerar impactos negativos ao ambiente preocupa a
moradora. Outro ponto negativo exposto pelos habitantes é o cheiro
ruim e o barulho que as atividades podem causar. Já que para a
instalação da central precisará de um grande numero de máquinas em
plena atividade no local. “Com caminhões trazendo material, vai ter
muito barulho, a gente não vai poder nem dormir” diz Lília Amália
Metzen, moradora.

Protestos dos moradores junto à área. Moradores não querem a instalação da empresa no local

Especialista diz que instalação não acarretará riscos ambientais

Ciente da preocupação dos moradores, a bióloga Nádia Caldeira, afirma
que os moradores da região de Paquete podem ficar tranquilos. Mestre
em avaliação de impactos ambientais, ela diz que foram feitos todos os
estudos sobre fauna, flora e meio físico da área para a instalação do
empreendimento. Sem os devidos levantamentos, não seria possível o
processo de instalação. “A Fepam só aprova o licenciamento ambiental
se o empreendedor cumprir todos os quesitos técnicos legais para a
implantação de um empreendimento.”, afirma a especialista. Nádia
explica que o predomínio das atividades agrícolas foi considerado nos
estudos e diz que não haverá impacto algum ao solo. Segundo a bióloga,
o tratamento de efluentes líquidos não entrará em contato com o solo
ou a água. “As lagoas são isoladas por geomembranas. É tudo tubulado,
controlado, com monitoramento constante”, explica Nádia.

Alvará de construção é suspendido pela prefeitura

Entre preocupações e esclarecimentos, a prefeitura decidiu suspender o
alvará de construção. O então prefeito de Capela de Santana, José
Alfredo Machado, afirma que ficou sabendo há pouco tempo sobre tal
instalação. Machado que foi empossado em 2017, diz que houve uma
mudança no plano diretor durante o mandato do prefeito anterior, o
qual não atendeu um dos requisitos para tal processo: o de realizar
uma audiência pública com os moradores sobre a proposta de alteração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *