ESTADO – Novo Hamburgo cria ação de combate à evasão escolar

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Programa #VemPraEscola vai mapear estudantes de 4 a 17 anos fora das escolas 

Com o objetivo de identificar e mapear crianças, adolescentes e adultos que ainda não frequentam a escola ou que tenham abandonado os estudos, a Prefeitura de Novo Hamburgo elaborou o Programa Municipal de Ações Integradas #VemPraEscola. A iniciativa envolve as Secretarias Municipais de Educação (SMED), da Saúde (SMS) e de Desenvolvimento Social (SDS). O programa foi lançado oficialmente na manhã desta quinta-feira, 1º de julho, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Boa Saúde, em evento com a presença de convidados e autoridades. 

Durante o lançamento, a prefeita Fátima Daudt lembrou os investimentos na educação e o fato de ter zerado a fila de espera de cerca de 1,8 mil crianças por vagas na educação infantil, e os novos desafios impostos a partir da pandemia. “Agora precisamos buscar novamente as crianças para as escolas, trazê-las para o convívio e a socialização. Sei da importância destas ações, que demandam o esforço conjunto de várias secretarias. Faremos o que for necessário e o que for possível para buscar os estudantes, pois a educação é um direito deles. Queremos que o #VemPraEscola Novo Hamburgo ecoe em cada canto da cidade, como um chamado, para que todos tenham acesso ao ensino de qualidade”, destacou Fátima.

Frequência escolar 

O acompanhamento da frequência escolar nas escolas municipais e a busca ativa dos estudantes são atividades realizadas permanentemente pela equipe da Secretaria de Educação. A partir do novo programa, as ações serão potencializadas com o apoio da rede de serviços públicos do Município. Conforme a secretária de Educação, Maristela Guasselli, é preciso reforçar o trabalho para promover o acesso e a permanência de estudantes nas escolas. “Teremos auxílio de profissionais de diferentes áreas na construção de um olhar multidisciplinar para esta situação que implica a todos. Queremos que o #VemPraEscola ecoe pela cidade e que a comunidade também esteja engajada nesta busca pelas crianças e jovens que estão fora das escolas”, explicou Maristela. 

Para o secretário de Desenvolvimento Social, Eliton Ávila, o direito à educação deve ser priorizado. “O conhecimento é algo que ninguém nos tira. Este programa reafirma nosso compromisso de trabalhar pela dignidade e bem estar de todos”, afirmou. Já o titular da Saúde hamburguense, Naason Luciano, destacou que os profissionais da pasta estão preparados e disponíveis para auxiliar no trabalho. “A Secretaria da Saúde está com sua equipe pronta para contribuir nesta importante ação integrada para o município”, disse. 

Como funciona

Ao identificar uma criança ou jovem em idade escolar, entre 4 e 17 anos, que não frequenta a escola, os agentes registrarão as informações para que o setor responsável pelas matrículas na Rede Municipal de Ensino possa analisar a situação. Este encaminhamento pode acontecer, por exemplo, durante consulta em unidade de saúde ou quando a família busca atendimento nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS).  Como forma de agilizar o processo, as informações são transmitidas simultaneamente a partir do preenchimento de formulário digital. Com os dados informados, a equipe da SMED verifica se a criança está matriculada e frequentando a escola. As situações são analisadas por uma equipe multidisciplinar de forma individualizada para entender as dificuldades enfrentadas pela família e quais encaminhamentos podem ser feitos para promover o acesso e a permanência deste estudante na escola. 

Comunidade  

A comunidade também pode contribuir com o programa ao identificar alguma criança ou jovem que não esteja matriculado e frequentando a escola. Basta acessar o formulário pelo endereço gg.gg/vempraescola e preencher as informações solicitadas.

Além de garantir o ingresso e retorno ao estudo de crianças e jovens, as informações obtidas com o programa #VemPraEscola também auxiliarão na identificação das principais causas da evasão e na criação de estratégias e políticas públicas para infância e adolescência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *