ESTADO – Audiência pública promovida por Issur define posição contrária a pedágios no RS

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Evento contou com a participação de mais de 140 lideranças de todo Estado 

Com a participação de mais de 140 lideranças de todo Estado, o deputado estadual Issur Koch (PP) promoveu audiência pública para debater a instalação de novas praças de pedágios no Rio Grande do Sul, nesta terça-feira (13.07), na Comissão de Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa. O encontro uniu prefeitos, vereadores e entidades de diferentes regiões gaúchas, que se manifestaram contrários à instalação de novos pedágios. 

O encontro não contou com a participação de representantes do governo do Estado. “É lamentável que o governo não esteja presente para ouvir a sociedade, ao mesmo tempo que marcou uma audiência para discutir este tema justamente nesta terça-feira, no horário da sessão da Assembleia quando iremos votar o Orçamento do Estado, impedindo desta forma a participação dos deputados”, destacou Issur.

Encaminhamentos 

Issur e lideranças propuseram à Comissão de Assuntos Municipais o encaminhamento ao Estado com as seguintes proposições:

– Ampliação do prazo de 30 dias proposto pelo governo para discussão do Plano de Concessão de Rodovias;
– Não publicação dos editais dos três blocos de concessão em setembro, a fim de se ouvir a sociedade sobre suas prioridades e necessidades;
– Fim do valor de outorga (se duas ou mais empresas apresentarem o menor preço de tarifa proposto, o desempate ocorrerá no maior valor de outorga – que é o montante que será feito ao governo do Estado).

Manifestações 

No projeto apresentado em parceria com o BNDES, há questões importantes a serem discutidas, diz o deputado. O pedagiamento da RS-118 é uma delas, destacou. “Depois de quase 20 anos de construção da estrada que consumiu mais de R$ 400 milhões dos cofres públicos, dos quais os gaúchos ainda têm que pagar o último empréstimo, de R$ 131 milhões tomados em 2019 para reinício das obras pelo atual governo, o Piratini propõe sua entrega à iniciativa privada”. 

O fim das isenções também é um problema, enfatizou o deputado. “Moradores de cidades que sediarão pedágios terão descontos pífios; para ter 20% de abatimento na tarifa, terão que comprovar o uso da rodovia pelo menos 20 vezes ao mês, o que inviabiliza para a maioria da população qualquer desconto”, define.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *