Comissão de Educação pede apoio do MP para falta de professores no Estado

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook
Crédito: Divulgação.

Em audiência na manhã desta segunda-feira (06) com o Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Marcelo Lemos Dornelles, deputados da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa solicitaram ao MP providências e/ou instauração de inquérito civil a fim de aprofundar a investigação e a coleta de subsídios, com a finalidade de atender a falta de professores na rede estadual.

No encontro, a coordenadora do Centro de Apoio à Infância, Denise Villela, e a promotora regional da Educação, Luciana Casarotto, relataram que a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) indicou que até o final de maio irá apresentar resposta para atender a demanda de professores nas escolas.

Um dos proponentes do encontro, o vice-presidente da Comissão de Educação, deputado Issur Koch (PP), externou sua preocupação com o aprendizado de milhares de alunos que estão sem aulas há 60 dias. “O prejuízo para esses estudantes é incalculável e não será recuperado, pois até o fim de maio teremos cerca de cem dias sem aulas em várias disciplinas para milhares de alunos da rede estadual. Sabemos das dificuldades do Estado, mas a Educação precisa ser vista de uma vez por todas como prioridade”, destacou.

A audiência contou, também, com a presença da deputada Sofia Cavedon (PT), presidente da Comissão de Educação, e do deputado Jeferson Fernandes (PT).

Principais pontos levados pela Comissão de Educação ao MP:

– Falta de professores e demais profissionais na rede estadual de ensino na grande maioria das escolas;

– não homologação de turmas e turnos;

– ampliação da multiseriação;

– não existência de concurso para admissão de novos professores, sendo que o último realizado foi no ano de 2013;

– redução de matrículas de professores do ano de 2006 até o ano de 2018 de 74.163 para 42.971, com uma diminuição de 31.192;

– falta de demais profissionais na rede estadual de ensino, fechamento de escolas, entre outros;

– negligência com as escolas indígenas, em todos os aspectos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − três =