COLUNA – A corrida do Saci contra o Urubu

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

O título do texto parece de uma lenda ou história infantil. E pode-se dizer que a fábula que será contada nas próximas páginas da história do Campeonato Brasileiro tem tudo para se transformar em um conto. Se será de fadas (ou de terror) para o torcedor Colorado, só as próximas semanas dirão.

A corrida do Saci contra o Urubu, na verdade, era um páreo tríplice. Porém, o Galo que estava ali, no cangote, tropeçou no trecho de Goiânia e caiu fora da disputa. Sobraram dois oponentes. O Saci, trajado de alvirrubro, e o Urubu, com suas cores rubro-negras.

Traçando um comparativo com outra história, o Saci é um Davi, mas um Davi que toma vitaminas e está bem forte. Já o Urubu é um Golias, mas que sofreu escoriações ao longo das últimas batalhas. E essa disputa promete ser acirrada.

O saci colorado vem tranquilo, pulando em sua perna a passos largos. Vem conseguindo vencer suas próprias adversidades e está se consolidando em primeiro lugar na disputa.

O urubu, claudicante em tantos momentos e decepcionante em tantos outros, parece que começou a pegar fôlego no momento mais importante e promete correr atrás para buscar o saci.

Para o Inter, a oportunidade que se apresenta é mais do que de ouro, é de platina. É a maior oportunidade do Colorado em muitos anos de reconquistar o Brasil. O Inter vem de nove vitórias consecutivas, está brilhando a cada partida e encontrou o melhor modelo de jogo nas mãos de Abel Braga. Passou por adversários difíceis, venceu GreNal e terá que suplantar os medos e as incertezas dos diversos insucessos em Brasileirões para chegar ao caneco. Mais do que os adversários, o Inter precisa driblar e vencer a ansiedade dos anos sem vencer este título e o anseio dos torcedores em acabar com a fila de grandes taças, que já se estende por 10 anos.

Abel terá a espinhosa missão de vencer estes obstáculos e crescer em sua própria incerteza, já que também é parte da história dos vice-campeonatos do Colorado, sendo o comandante em 1988 (derrota na final para o Bahia) e 2006. Vale lembrar que em 2006, o Inter viveu o melhor ano de sua história e, além de ganhar Libertadores e Mundial, alcançou um vice do campeonato brasileiro num ano em que disputou grande parte com reservas.

Em 1987, 1988, 2005, 2006 e 2009, o vice foi o ápice do Colorado. É possível alcançar o primeiro degrau neste ano. O adversário nesta corrida maluca, está atrás. Está, no mínimo, duas rodadas atrás (quatro pontos). O Colorado precisa ter sabedoria. O confronto contra o próprio Flamengo será conturbado, será tenso. Pode até ser decisivo, caso a vantagem seja inferior a quatro pontos. Mas esse jogo ainda está distante. O Colorado precisa administrar sua vantagem e seguir como está: no limite. Com a corda esticada. No caminho para chegar primeiro na linha de chegada, o Saci já está.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *