Câmara aprova projeto que permite compra de área para parque de rodeios

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook
Alexsandro Argenta. Crédito: Divulgação.

Por unanimidade de votos, o Legislativo aprovou nesta segunda, dia 14, o Projeto de Lei 76/2018, que irá colaborar para a construção de um parque municipal de rodeios. A matéria abre um crédito de até R$ 260 mil — dinheiro oriundo das sobras do orçamento 2018 da Câmara de Vereadores — para a aquisição da área de terras. Em plenário, Alexandro Argenta (MDB), o Leco, explicou que a prioridade do governo municipal é permutar área pública com algum proprietário particular. A verba de R$ 260 mil, neste caso, só seria usada caso fosse necessário o Município pagar uma diferença a maior. “A Prefeitura vai fazer tipo uma troca de terrenos e somente se faltar valor é que será tirado desse fundo”, disse o emedebista.

Vereador João Pedro. Crédito: Divulgação.

Para o vereador João Pedro (PT), mesmo que ainda não tenha havido a efetiva aquisição da área, o aval ao PL significa um avanço histórico para os portonenses ligados ao Movimento Tradicionalista Gaúcho, porque o parque de rodeios é uma reivindicação de mais de década. “Água mola em pedra dura tanto bate até que fura. O prefeito Renato ficará marcado como o gestor que resolveu problemas históricos de Portão”, enaltece. Era tanta espera, disse o petista, que os vereadores já não tinham mais argumentos para explicar aos tradicionalistas por que o projeto não saía do lugar.

José Volmar Wogt. Crédito: Divulgação.

José Volmar Wogt (PDT) lembrou que criar um espaço público para rodeios é o maior sonho do diretor do Departamento Municipal de Cultura, Celso Oliveira. Jorge Rodrigues Flores aproveitou a deixa para desde já sugerir o nome do parque: José Alencar Fagundes, o maior empresário que Portão já teve e que faleceu no ano passado.

Ari de Oliveira. Crédito: Divulgação.

Ari de Oliveira (SD) observou que todos os anos, durante a Semana Farroupilha, os CTGs precisam montar e desmontar acampamento por não haver uma estrutura definitiva. “Se tivermos um centro de eventos para os tradicionalistas, cada entidade poderá ter seu espaço permanente. Hoje, estamos plantando a primeira sementinha, pois tem a aquisição da terra, depois a construção e assim por diante.”

Kiko Hoff. Crédito: Divulgação.

Kiko Hoff (PDT) avalia que esse avanço hoje é possível em função da coragem do prefeito, que no exercício do cargo tomou atitudes que nenhum antecessor havia tomado até então. Disse também que o movimento tradicionalista merece um parque porque se trata do segmento social de maior força no município há anos. “Existem muitos terrenos que podem ser trocados e realizar outras coisas em Portão muito boas. O povo tem que ter divertimento e um prefeito tem que atender a todos segmentos, goste ele ou não.”

Adair Rocha. Crédito: Divulgação.

Adair Rocha (MDB) salientou a contribuição das entidades tradicionalista para o desenvolvimento das crianças e para o lazer das famílias, razão pela qual se justifica o Município investir nesta área. “O prefeito Renato está de parabéns.” Para o presidente do Legislativo, Diego Martins (MDB) destacou que aplicar verba pública neste meio é não apenas valorizar a cultura, mas também prevenir contra a criminalidade e a violência. “A gente vinha de uma trajetória de explicações e mais explicações [do poder público para a comunidade tradicionalista] com não resolução dessa questão”, afirmou Diego, citando que o Município, em 2016, teve cedida a antiga área da capatazia do Daer para erguer um centro de eventos, algo que não se confirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 6 =