Brasil pode viver segunda onda da covid-19 se vacina não chegar até março

Compartilhe:
Email this to someone
email
Share on Facebook
Facebook

Pesquisador da Universidade Johns Hopkins afirma que número de casos deve aumentar nos meses de inverno, como ocorre agora no Hemisfério Norte 

O verão relativamente tranquilo que a Europa teve durante a pandemia da Covid-19 foi logo esquecido com a chegada do outono. Rapidamente, o número de casos cresceu, assim como o risco de colapso de sistemas de saúde com o aumento de internações. Não houve saída, e governos se viram obrigados a impor restrições tão duras quanto as implantadas no começo do ano. 

Nos Estados Unidos, o número de novos casos nunca caiu de forma considerável, mas alguns estados chegaram a ter um alívio. No entanto, bastou o frio chegar para que o país batesse um recorde: 99,3 mil infecções registradas em 24 horas, na última sexta-feira (30). O que está acontecendo no Hemisfério Norte deve servir de ensinamento a países como o Brasil. 

A avaliação é do médico, pesquisador e professor Adam Ian Kaplin, da Universidade Johns Hopkins (EUA), uma das escolas de medicina mais prestigiadas do mundo. Kaplin é um dos autores de um estudo que, em junho, já alertava para o aumento da taxa de infecção pelo coronavírus com a chegada do frio. O artigo, publicado na plataforma medRxiv, também aponta que há uma redução do contágio nos meses de calor, mas em menor ritmo. 

Na França, segunda onda já preocupa população local – Crédito: AFP

Em entrevista, o professor ressalta que o Brasil deve ter uma relativa queda do número de novos casos e óbitos nos meses de calor. “A gente observou que quando esquenta, existe uma queda de 70% [do número de novos casos], o que é ok. Mas é importante saber que quando esfria, você tem um aumento de 200% a 300%. E é o que está acontecendo aqui [Estados Unidos]. Ainda não sabemos exatamente por quê”, disse.  

Porém, se não houver uma vacina até o começo do próximo outono, em março, o Brasil corre risco de passar por uma nova alta de infecções, afirma. “O melhor preditor do comportamento futuro é o comportamento passado — e vocês podem ver o passado. O futuro do Brasil é o que está acontecendo aqui nos Estados Unidos e na Europa, os casos estão subindo conforme está ficando mais frio. Eu acredito 100% que os casos vão subir no Brasil quando esfriar, a menos que haja uma vacina.” 

Baixo número de testes  

O Brasil continua a ser um dos países que menos realizam testes de Covid-19 em todo o mundo. Isso levanta dúvidas, segundo Kaplin, pois o retrato da realidade pode ser outro. Dados do Ministério da Saúde consolidados até o dia 24 de outubro mostram que os laboratórios públicos e privados realizaram até aquela data 8,4 milhões de exames RT-PCR, que detecta o vírus no momento da infecção e é considerado imprescindível para isolar pessoas doentes e rastrear contatos. 

Com esse número, o Brasil tem uma média de 39 mil exames por milhão de habitantes. Nos Estados Unidos, são 431 mil; no Reino Unido, 492 mil. Colômbia e Peru também testam mais do que o Brasil: 97 mil e 80 mil, respectivamente. “Preocupa a mim o monitoramento do Brasil ser tão baixo. Um estudo brasileiro aponta que vocês podem ter basicamente o dobro do número de mortes sem saber [a causa]. Sem saber o que está acontecendo no verão, [o número de casos] pode decolar loucamente no inverno.” 

Vacina   

Quatro ensaios clínicos de vacinas contra a Covid-19 estão em andamento no Brasil: das empresas AstraZeneca/Oxford, Sinovac Biotech/Instituto Butantan, Pfizer/BioNTech e Janssen (Johnson & Johnson).  Os dois primeiros possuem acordos com o governo federal e do estado de São Paulo, respectivamente, para também produzir as vacinas no Brasil, caso venham a ser aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O mais otimista dos cronogramas, no entanto, não prevê que haja doses suficientes para vacinar a maior parte da população brasileira antes da chegada do inverno. Além disso, há o temor de que campanhas antivacinas avancem na internet e possam minar esforços de imunização das autoridades. 

Kaplin diz que os movimentos contra as vacinas são “extremamente egoístas”, porque pessoas não imunizadas espalham doenças para outras mais frágeis. “Viver em sociedade significa ter uma espécie de contrato social. Se não concordamos com certas coisas, não somos capazes de viver em sociedade como humanos. Todo mundo tem direito a alguma felicidade, a encontrar seu propósito na vida e direito a saúde. Parte desse contrato social diz que temos que fazer isso [vacinação] para que continuemos a viver como uma sociedade civilizada.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =