Fátima Daudt mantém diálogo com a Secretaria da Saúde 

Prefeita destaca que Município não pode pagar mais pelo atendimento ao Hospital Regina, sob risco de improbidade administrativa

A prefeita de Novo Hamburgo, Fátima Daudt, retomou as conversações com a Secretaria de Saúde do Estado sobre a situação do atendimento oncológico no município pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Em encontro com lideranças municipais e estaduais na última terça-feira (10), em Porto Alegre, a secretária estadual de Saúde, Arita Bergmann, afirmou que só iniciaria tratativas para retomar o atendimento na cidade após conversar com a prefeita, uma vez que o município tem gestão plena em Saúde.

Arita e a prefeita Fátima Daudt dialogaram na manhã da última quarta-feira (11). Em nota, o Executivo municipal destaca que, na conversa, “foi lembrado que o atendimento em Taquara só surgiu a partir de uma decisão exclusiva do Hospital Regina em interromper o serviço prestado ao SUS. Como instituição privada, o Hospital Regina tem direito a este posicionamento”. 

“A nós cabe garantir que nenhum paciente fique desassistido, independentemente onde for necessário. E é o que estamos fazendo”, reforçou a prefeita, lembrando que tem tratado pessoalmente deste assunto com a secretária Arita, inclusive sobre alternativas a partir da desistência do Regina, que foram desafiantes. 

No comunicado, Fátima observa ainda que, como a oncologia é alta complexidade e os recursos são do Ministério da Saúde, eles não estão mais sendo repassados a Novo Hamburgo, pois já foram referenciados a Taquara. “Estamos sempre dispostos a discutir novas alternativas”, diz a prefeita. 

A exemplo da secretária estadual, Fátima lembra que uma eventual proposta aceitável do Hospital Regina para retomar o atendimento deve estar dentro da tabela SUS e incluir incentivo do Programa Assistir do Governo do Estado. 

A prefeita ressaltou que o município não pode pagar mais, sob pena de improbidade administrativa, pois alta complexidade, como a oncologia, é responsabilidade da União e não do município. A secretária Arita Bergmann havia feito a mesma advertência, segundo informa o comunicado da Prefeitura. 

“Por isso tenho insistido que é importante investir os recursos em nosso Hospital Municipal para trazer a oncologia de volta à cidade de forma definitiva, e não dependermos mais de decisões de hospitais privados. Precisamos que nosso hospital 100% SUS esteja apto a atender também a oncologia. E estamos realizando obras na instituição também com esta perspectiva”, completa Fátima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

15 + dezoito =