Dengue deixa diversos municípios em alerta

Confirmação de casos e dezenas de outros suspeitos em cidades da região reforçam ações e monitoramento 

A confirmação de casos de dengue e o registro de dezenas de outros suspeitos deixaram os municípios de Novo Hamburgo, Estância Velha e Ivoti em alerta nesta semana. O número de casos – confirmados ou não – fez com que as autoridades sanitárias reforçassem esforços para conter o avanço da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti.

Em Estância Velha, dois moradores do bairro União foram diagnosticados com dengue na última terça-feira (8). Ambos estão bem e são monitorados pela Vigilância em Saúde. Além dos casos confirmados, já chegou a 52 o número de casos suspeitos no município. 

A expectativa é de que nos próximos dois meses os casos de dengue ganhem destaque nos atendimentos. A Secretaria Municipal de Saúde decidiu, na tarde desta quinta-feira (10), que  Centro de Referência Respiratória (antigo Centro Covid) passará a atender especificamente pacientes com sintomas de dengue a partir da próxima segunda-feira (14). A secretária Cláudia Pires explica que o aumento de casos suspeitos do vírus, e a tendência de surto no Vale do Sinos, fizeram com que a Administração pensasse nessa nova estratégia. 

O Centro de Referência da Dengue funcionará, das 13 às 21 horas, de segunda a sexta-feira. A unidade fica na Rua Adolfo Mattes, nº 117 (antiga Farmácia Hamburguesa). A orientação da Secretaria Municipal de Saúde é de que quem apresentar sintomas da doença procure o local. Os pacientes com sintomas gripais devem se dirigir aos postos de saúde.

Combate – A Vigilância em Saúde intensificou as ações de combate ao mosquito. Na noite de terça-feira, a equipe realizou a pulverização de veneno no bairro União, nas imediações da rua Achinelo Graebin, e no Residencial Nova Estância, nas imediações da rua Jacob Guilherme Dienstmann. 

Nesta quarta-feira (9), os agentes de endemias, em parceria com a Secretaria de Obras, iniciaram um mutirão de limpeza pelos bairros do município, começando pelo bairro Sol Nascente, nas imediações da rua São Leopoldo. “Essa é uma região que nos preocupa muito, pois encontramos uma das possíveis fontes da infestação do mosquito no bairro e bairros adjacentes: um reservatório de água parada, tomado por larvas, no pátio de uma residência”, alerta Eliane Fleck, coordenadora da Vigilância. 

O mutirão seguiu ao longo da semana, com limpezas realizadas nas imediações da rua Serafim Fernandes, no Rincão dos Ilhéus, nas imediações da rua Achinelo Graebin, no União, e nas imediações da rua Riachuelo, no Lira.

NH confirma pelo menos um caso e aguarda resultado oficial de mais sete

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Novo Hamburgo, por meio da Gerência de Vigilância em Saúde, confirmou na última quarta-feira (9) o primeiro caso de dengue autóctone no município neste ano. Trata-se de um morador do bairro Santo Afonso, que teve material coletado e enviado para a análise no Laboratório Central do Estado (Lacen), apresentando resultado positivo.

Outros sete casos foram confirmados em análises de laboratórios privados e tiveram os materiais coletados e enviados para análise no Lacen, que é o laboratório oficial de referência para a confirmação da doença no Estado, e os resultados são aguardados pelo Município para que sejam confirmados. Além desses sete casos, a SMS ainda aguarda o resultado dos exames de mais sete casos suspeitos. 

O projeto de Prevenção e Combate à Dengue, realizado em parceria da Prefeitura com a Universidade Feevale, já executou a Pesquisa Vetorial Especial para constatar a presença do mosquito Aedes aegypti (responsável pela transmissão) no local de residência do paciente, para evitar o contágio da doença. Além disso, os agentes realizaram entrevista com o paciente, orientações aos moradores, tratamento mecânico (eliminando ou virando os potes e outros reservatórios de água) e tratamento químico com o larvicida Pyriproxifen.

O secretário Municipal de Saúde, Naasom Luciano, alerta para a necessidade de mobilização de toda a comunidade para impedir a proliferação do Aedes aegypti. “Neste sentido, pedimos o auxílio da população para realizar uma vistoria em suas casas e eliminar possíveis focos do mosquito. Serão dez minutos que farão grande diferença no combate a este mosquito transmissor de doenças, que além da dengue, transmite a Zika e a Chikungunya também’, diz.

Ivoti intensifica ações de combate ao mosquito

Com a confirmação de cinco casos em Ivoti, a Prefeitura e a comunidade estão intensificando ações de prevenção e combate à dengue no município. Fazem parte da mobilização uma blitz de conscientização programada para esta sexta-feira (11) à tarde, aplicações de inseticida, divulgação de informações nas redes sociais e mídia local, além da colaboração da população com verificações diárias de seus pátios.

A Secretaria Municipal de Saúde e Assistência Social informa que as pulverizações ocorrem sempre no fim do dia. Da mesma forma, os profissionais também realizam as tradicionais visitas nas residências. 

A Vigilância Ambiental também orienta a população para que proceda com conferências nos pátios das residências, principalmente em vasos de plantas, piscinas e calhas. “É algo que pode ser feito em questão de dez minutos. Além disso, lembramos que o uso de repelente é necessário nesse momento”, aponta a responsável pela Vigilância Ambiental, Claudia Nicola.

Sintomas

Febre, dor de cabeça, dores pelo corpo e náuseas (a doença pode ainda ser assintomática)

O aparecimento de manchas vermelhas na pele, sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal intensa e contínua e vômitos persistentes podem indicar um sinal de alarme para dengue hemorrágica. Esse é um quadro grave que necessita de imediata atenção médica, pois pode ser fatal.

É importante procurar orientação médica ao surgirem os primeiros sintomas, pois as manifestações iniciais podem ser confundidas com outras doenças, como febre amarela, malária ou leptospirose e não servem para indicar o grau de gravidade da doença.

A dengue é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Não há transmissão pelo contato direto com um doente ou suas secreções, nem por meio de fontes de água ou alimento.

Medidas de prevenção:

– Tampe os tonéis e caixa d’água

– Deixe ralos limpos e com aplicação de tela. Coloque água sanitária nos ralos e em locais onde não seja possível alcançar para esvaziar

– Mantenha as calhas sempre limpas

– Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo

– Mantenha lixeiras bem tampadas

– Elimine ou preencha pratos de vasos de plantas com areia

– Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais

– Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa

– Semanalmente renove a água das bromélias com jato da mangueira ou com balde de água bem cheio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

13 − 10 =