COLUNA – Entregar coletes é fácil!

O Flamengo levou um chocolate do Athletico-PR. Isso foi nítido. Qualquer um viu.

Porém, o que é preciso entender são as razões para que isso tenha ocorrido. Renato Portaluppi se mostrou absolutamente incompetente. Previsível. Totalmente descompassado da realidade do futebol.

O Flamengo teve volume de jogo na etapa inicial. Isso é fato. Porém, volume de jogo e efetividade são coisas diferentes. O time foi uma bagunça completa sem qualquer organização. Chegava perto da área e batia na parede de pernas formada pelo time do Athletico/PR.

Alberto Valentim é um técnico absolutamente comum. Nem um pouco diferente. Totalmente voltado a aspectos simples. Mas, o que se viu, foi um CAP que soube aproveitar oportunidades. E isso é mérito de seu técnico. 

Alberto viu ainda no início do jogo que o Flamengo se posicionou de forma absolutamente voltada a área central do campo. Povoou por ali sua marcação e rapidamente fez com que Everton Ribeiro e Gabigol sucumbissem a dificuldade de criação. O time do Flamengo se perdeu e foi assim que se viu um time que totalmente desconexo daquilo que já vimos em tantas outras oportunidades. 

Renato foi constrangedor, isso é nítido. Mas, mais do que isso, foi apático. Foi arrogante. Viu que não tinha mais o que fazer e deixou seu time à beira de um ataque de nervos. 

Ele ter pedido demissão após o jogo, foi apenas a cereja do bolo de uma noite catastrófica. Uma noite vexatória. 

Que sirva de lição para ele: Jogar futebol é fácil. Treinar é difícil, como ele mesmo já disse. Faltou técnico. Sobrou entregador de colete. O time do Flamengo é bom demais pra jogar tão pouco. E é preciso urgentemente perceber isso. 

A final da Libertadores ocorre em menos de um mês. E o Flamengo pode entregar uma derrota de graça a seu torcedor. Será que Renato aguenta até lá? Confesso que não sei. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =