PAÍS – Cidadãos em alerta para evitar golpes via PIX

Pix é uma excelente ferramenta para transação bancária, mas é necessário redobrar os cuidados 

Criado oficialmente em outubro de 2020, o Pix caiu rapidamente no gosto dos brasileiros. A facilidade nas transações bancárias, bem como na agilidade de conseguir realizar um pagamento em qualquer hora do dia, mesmo nos finais de semana e feriado, colocaram a ferramenta na ponta das opções dos que dependem de transferências bancárias, seja para recebimento ou envio. 

O sistema é composto por chaves de transação (conhecidas como chaves Pix) que podem ser cadastradas utilizando os números do telefone celular, CPF ou CNPJ, endereço de e-mail do usuário. Também é possível gerar uma chave aleatória (sequência alfanumérica gerada aleatoriamente) para aqueles usuários que não desejam vincular seus dados pessoais à chaves Pix. 

A chave Pix permite que o sistema (SPI) identifique os dados da conta transacional (que é uma conta de depósito à vista, conta de poupança ou conta de pagamento pré-paga) que o usuário mantém na instituição de sua escolha e que foram associados à chave Pix e realize a transação imediatamente.

Todo este sistema criado e alcançou certa popularidade, acabou atraindo pessoas mal-intencionadas. Os golpes envolvendo a nova transação estão se tornando cada vez mais comuns na realidade dos brasileiros. Assim nos encontramos em duas posicionais distintas. De um lado, a observação de uma ferramenta que facilitou e simplificou as transações bancárias. Por outro, a facilidade trouxe consigo a fragilidade de uma ferramenta em que exponencialmente crescem os riscos de fraudes em ambientes digitais.

Proteção  

Como mencionado acima, o PIX envolve dados pessoais, em muitos casos. Caso o ladrão precise de dados pessoais, como data de nascimento e CPF, muitas vezes eles podem ser encontrados no próprio celular da pessoa, seja em mensagens, e-mail ou nos dados de saúde, que algumas vezes ficam registrados. 

Para tentar atrapalhar o acesso desses criminosos às contas bancárias, algumas dicas valiosas estão no cuidado externo ao telefone celular.  

O ideal é ter o IMEI, ou número de série, do dispositivo anotado em um local seguro, ou seja, fora do dispositivo. Para descobrir o número do aparelho, digite *#06# no dispositivo. Caso o aparelho seja roubado, é só pedir à operadora o bloqueio usando o número do IMEI. Com isso, nenhum chip funcionará no aparelho. Além disso, faça um boletim de ocorrência, pois caso a polícia apreenda o aparelho, ela saberá sua origem;

Observando senhas  

Ao realizar download de um aplicativo, configure seu app de banco para pedir não só a senha, mas o número da conta e da agência sempre que for aberto. Além disso, use senhas diferentes para cada aplicativo, principalmente os bancários. Não guarde fotos de senhas, documentos ou de cartões de crédito na galeria de fotos e não utilize o recurso de “salvar senha” para aplicativos e portais críticos.  

Proteja aplicativos críticos com MFA (autenticador multifator). Desta maneira, os apps serão acessados com senha e um código gerado por um token, evitando que mesmo que a senha seja descoberta pelo criminoso, já que ele não terá o token.

Em caso de golpe  

Caso você tenha sido vítima de um golpe aplicado pelo celular, o recomendado é que você notifique imediatamente o banco, para que a instituição possa realizar medidas adicionais de segurança, como, por exemplo, o próprio bloqueio do aplicativo, ou ainda a alteração da senha de acesso.

Caso você tenha perdido o celular, ou mesmo tenha sido furtado, ou roubado, além de comunicar o banco sobre o acidente para tomar as devidas medidas de segurança, será necessário comunicar a operadora de telefonia para bloquear seu parelho, e também será necessário registrar um Boletim de Ocorrência (B.O), para registrar o ocorrido e ajudar a polícia a investigar a situação.

Fiz um Pix errado, e agora? 

Em caso de realizar o Pix errado, a situação é um pouco complicada. Como a transferência ocorre de forma instantânea, não é possível excluir a transação e solicitar ressarcimento. Logo, diversos golpistas cadastram chaves aleatórias e ligadas a contas abertas com documentos falsos ou ainda de laranjas.

Nesse cenário, não há muito o que fazer. Contudo, não deixe de comunicar o banco sobre a conta que recebeu o seu Pix, isso não fará com que o seu dinheiro seja ressarcido, mas servirá de alerta para o banco identificar possíveis fraudadores aplicando golpes.

Segurança  

Do ponto de vista da segurança física, algumas dicas podem prevenir a ação dos criminosos, como ter atenção na chegada e saída dos locais que frequentar, principalmente os de rotina; evitar utilizar celular na rua e procurar utilizá-lo em um estabelecimento comercial; e sempre que possível coloque bolsas e mochilas no porta malas do veículo. Caso entre em uma situação de crise ou emergência, fique calmo e coopere. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 2 =