PAÍS – Confira a implementação dos passaportes sanitários no país

Prefeitos e governadores de todas as regiões do Brasil seguem realizando ações que ferem a liberdade individual

Em nova investida contra a liberdade individual, prefeitos e governadores dão cumprimento a agenda que parece iniciar uma epidemia de controle sanitário através da imposição dos passaportes vacinais. Seja para não perder o emprego, o benefício social ou para garantir o direito de comprar itens de necessidade básica, aos poucos, as pessoas estão sendo forçadas a abrir mão da própria saúde para participar de um experimento com vacinas de consequências ainda desconhecidas.

Rio de Janeiro

No primeiro dia de setembro, entrou em vigor o passaporte sanitário na capital carioca. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD-RJ), decretou que cidadãos não vacinados serão impedidos de frequentar academias, centros de treinamento, vilas olímpicas, estádios, ginásios, cinemas, teatros e outros estabelecimentos. As famílias carentes que dependem de assistência do estado terão de comprovar a vacinação para continuarem com o benefício do Programa Família Carioca.

São Paulo

Em São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes anunciou o passaporte sanitário no dia 23 de agosto, quase uma semana antes da mesma medida ser anunciada no Rio de Janeiro. Nunes vai impedir a entrada de não vacinados em congressos, jogos de futebol e outros eventos. Inicialmente, a medida também pretendia barrar a entrada em bares, restaurantes e shoppings. Após repercussão negativa, o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, sinalizou o recuo.

Amazonas

No estado do Amazonas a obrigatoriedade do passaporte sanitário para a entrada em bares e restaurantes passou a vigorar também no dia 23 de agosto. Para ter direito a frequentar hotéis, os amazonenses que não estiverem completamente “imunizados” deverão apresentar teste RT-PCR negativo para a peste chinesa.

Pernambuco

No início desta semana, o governo de Pernambuco anunciou a criação do “Passe Seguro PE”, uma espécie de “selo” que vai certificar aplicativos que poderão segregar as pessoas como vacinadas ou não vacinadas. Os aplicativos poderão permitir ou barrar a entrada das pessoas, inicialmente, em shows e eventos.

Santa Catarina

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, tornou obrigatória a vacinação experimental “para todos os trabalhadores que atuam na Educação Básica, na Educação Profissional, no Ensino Superior e afins das redes de ensino pública e privada”. O decreto 1.408/21 foi publicado no Diário Oficial do estado no dia 11 de agosto. A medida ignora alertas de médicos e imunologistas que pedem cautela no uso das vacinas.

Além do alerta de especialistas e cientistas, as próprias fabricantes das vacinas já estão orientando para os riscos de eventos adversos, principalmente em públicos em que as vacinas experimentais ainda não foram testadas suficientemente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =