NOVO HAMBURGO – Diretor de Trânsito fala sobre obras no sistema viário municipal

Eliseu Carlos Raimundo foi convocado pelo vereador Darlan Oliveira 

O diretor de Trânsito de Novo Hamburgo, Eliseu Carlos Raimundo, participou da sessão plenária desta segunda-feira, 28, para falar sobre os trabalhos que estão sendo realizados pela Diretoria de Trânsito, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Obras Públicas, Serviços Urbanos e Viários – SEMOPSU. Raimundo foi convocado pelo vereador Darlan Oliveira (PDT), via Requerimento nº 674/2021.

Especialista em Gestão e Normatização do Trânsito e Transporte, Eliseu Raimundo é mestrando em Segurança Profissional Cidadã pela UFRGS e professor do curso de Formação para Instrutor de Trânsito da Universidade Feevale. “Na primeira reunião de trabalho que tive com a prefeita Fátima Daudt, no dia em que fui nomeado, foi-me apresentada uma das situações mais polêmicas no trânsito de Novo Hamburgo nos últimos anos, que é a inclusão de mais um elemento viário em um eixo de rolamento de uma das vias com maior fluxo de trânsito da cidade, que é a Avenida Victor Hugo Kunz. Esse novo elemento foi a ciclofaixa, valorizando a bicicleta como modal de transporte”, disse o especialista. A implantação do novo elemento faz parte do Plano de Mobilidade Urbana, discutido pela comunidade hamburguense em 2019. A ciclofaixa foi demarcada de diferentes formas ao longo da via: dos dois lados da avenida; em apenas um dos lados; e também em um trecho no canteiro central. “Foi usada a geografia e as condições disponíveis. Foram feitas as adequações e os ajustes dentro das diferentes realidades de todo o percurso”, frisou.

Implantação  

Com a recente implantação da ciclofaixa na avenida, serão ligados semáforos, já instalados, para os ciclistas, o que não interferirá na configuração das sinaleiras para os demais veículos. E com o objetivo de melhorar a fluidez e a segurança de quem transita pela via, tanto de pedestres, ciclistas e condutores, a Diretoria de Trânsito também vem implantando alterações em relação às conversões e retornos. “Estamos realizando essas mudanças, priorizando a segurança de todos. Nosso objetivo é reduzir ao máximo a possibilidade de acidentes, em pontos de conflito da Victor Hugo Kunz.”, explica o diretor de Trânsito de Novo Hamburgo, Eliseu Raimundo.

Sobre diferentes tipos de solicitações à diretoria, de janeiro até o momento, foram protocolados mais de 500 pedidos. “Desses protocolos, já foram emitidas 361 ordens de serviço, ou seja, o trabalho foi ou está sendo executado”. Raimundo também destacou a autorização do Estado para o reforço na sinalização na Rua Bruno Werner Storck e a Avenida dos Municípios. “Após um grave acidente na Avenida dos Municípios, pedimos para fazer intervenções na via, autorizadas pelo Daer (autarquia estadual responsável pela gestão do transporte rodoviário no estado do Rio Grande do Sul), como redutores de velocidade, placas com limites de velocidade, alongamento do eixo central da avenida, aplicação de tachões, linhas de bordo, além de reforçar nossa própria sinalização na rua que dá acesso à rodovia”, informou. Na área central, junto ao shopping, foram criadas vagas para embarque e desembarque. Também foi feita uma rotatória no bairro Primavera.

Conflitos  

“Se nós percebemos o quanto temos de valor e o quanto temos de compromisso no trânsito, os conflitos poderiam ser diferentes ou nem existirem. Vemos imprudências, impaciência, e isso faz como que tenhamos dificuldades em nos manter dentro do regramento que está demarcado e sinalizado. E uma das coisas que fazemos para minimizar esses conflitos são as campanhas de educação e consciência no trânsito”. Raimundo falou que a campanha traz informações mais consistentes e constantes ao usuário e permite que ele adquira novos hábitos, o que, consequentemente, interfere positivamente na redução dos acidentes de trânsito, especialmente aqueles com sequelas – lesões e vítimas fatais. “O trânsito é o deslocamento de um ponto ao outro. Como vamos fazer para realizar esse deslocamento de forma segura? Os números no Brasil poderiam ser melhores. Tivemos redução, sim, mas, comparados a outros países, ainda estamos devendo a nós mesmos enquanto brasileiros. É nós que conduzimos o veículo, e não o contrário”, ressaltou, acrescentando que é fundamental respeitar as leis de trânsito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − três =