COLUNA – Os guris de Sapucaia do Sul e Pelotas voltaram

No Rio Grande do Sul, são incontáveis os garotos que sonham em jogar futebol. Todos creem num futuro fardado com as cores do time do coração, que, normalmente, é da dupla GreNal. É claro que poucos chegam ao topo. E muitos dos que chegam ao topo acabam indo alçar voos mais altos.

Com Douglas Costa e Taison não foi diferente. Garotos, criados em Sapucaia do Sul e Pelotas, respectivamente, sonhavam em ser ídolos da dupla. E conseguiram. Após terem algumas oportunidades em 2008, em 2009 se mostraram talentos promissores. Marcaram gols. Encantaram. Taison foi titular absoluto em 2009, formou dupla memorável com Nilmar e foi essencial no título da Libertadores colorada de 2010. Douglas enfrentou dificuldades com alguns técnicos, mas sempre se mostrou acima da média quando esteve em campo pelo Grêmio. 

As atuações diferenciadas levaram os guris ao topo do mundo. Ambos chegaram à Europa. Ambos viraram titulares em alguns dos maiores clubes do Mundo. Ambos foram convocados para a Copa do Mundo de 2018. Viraram estrelas internacionais. 

Nos eventos de final de ano, voltavam a Porto Alegre para brincar e mostrar que estavam com saudade de casa. A pergunta era inevitável: quando eles voltarão?

E quis o destino que ambos tivessem essa chance praticamente juntos. Taison voltou ao Inter em abril. Douglas está chegando no Grêmio em maio. Os dois chegam com o cartaz de serem protagonistas em times que aspiram títulos e que carecem de ídolos. 

Taison tem a missão mais espinhosa. Herdou o número 10 de D’Alessandro e será o responsável por conduzir o time em uma Libertadores complicada. Chega, ainda, com a expectativa de ser o responsável por fazer o clube voltar a ser campeão, algo que não ocorre desde 2016, nem mesmo no Campeonato Gaúcho. 

Douglas chega com uma novela mexicana nas costas. O Grêmio não hesitou em ir atrás do jogador. Insistiu, incansavelmente, até o desfecho feliz. O meia chega ao tricolor como o homem para assumir a titularidade e guiar um elenco em transição, que está vivendo um momento interessante sob o comando do recém-chegado Tiago Nunes. Douglas será o canhoto cerebral que irá armar e desconcertar zagueiros mundo afora. E é disso que o Grêmio precisa. Drible, imprevisibilidade. Hoje, só Ferreira possui isso. Douglas Costa chega para se juntar e acrescentar uma qualidade que poucos no futebol brasileiro possuem.

Agora, em ambos os casos, o que fica de mensagem é: voltar a atuar pelo clube do coração não tem preço. Douglas Costa e Taison abriram mão de grana para chegar à dupla. Voltaram para o RS pois queriam atuar pelos clubes. Douglas Costa, por exemplo, tinha proposta do Atlético de Madrid, que está pronto para ser campeão espanhol. 

Que os guris de Sapucaia e Pelotas sejam felizes por aqui. Assim como foi na primeira vez. Brilharam, conheceram o mundo e não esqueceram o amor por Grêmio e Inter. Que voltem e brilhem, como outrora. Qualidade é o que não falta. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − cinco =