Restauração do Lar da Menina é concluída em Novo Hamburgo

Prédio abrigará a estrutura administrativa da Secretaria Municipal de Cultura 

Prédio foi entregue nesta quarta-feira – Crédito: Lu Freitas/PMNH

A Prefeitura de Novo Hamburgo apresentou nesta quarta-feira (16) a conclusão das obras de restauração do prédio histórico conhecido como Lar da Menina, no bairro Hamburgo Velho. Esta é mais uma pendência de quase dez anos que a atual Administração Municipal põe um ponto final. Assim como fez no dia anterior, quando convidou a secretária municipal de Educação, Maristela Guasselli, para permanecer no comando da secretaria na próxima gestão, a prefeita reeleita, Fátima Daudt, encerrou sua fala convidando o secretário de Cultura, Ralfe Cardoso, a seguir na pasta nos próximos quatro anos, convite aceito por Ralfe.

Antes do convite, a solenidade foi aberta ao som do saxofone do músico Gustavo Müller, diretor da Orquestra de Sopros de Novo Hamburgo. O primeiro a falar foi o secretário municipal de Obras Públicas, Raizer Ferreira, que agradeceu o empenho da prefeita nas várias obras. “Foram mais de cem obras entregas nestes quatro anos de gestão, todas importantes para a cidade, a exemplo desta restauração do Lar da Menina”, destacou, citando ainda os profissionais envolvidos nesta restauração. “Este prédio tem uma importância histórica para a cidade. E as paredes, com os tijolos aparentes, valoriza o resgate desta história”, completou.

Cultura 

Na sequência, Ralfe Cardoso lembrou o quanto a cultura foi valorizada na atual gestão de Fátima Daudt, destacando, por exemplo, que Novo Hamburgo é uma das poucas cidades a manter uma orquestra e com possibilidades da formação de novos músicos. “E o que está posto com o restauro deste prédio é mais do que a vinda da Secretaria da Cultura. Aqui será a casa dos grandes sonhos e projetos na área, movimentando e revivendo nossa relação histórica com Hamburgo Velho”, enfatizou.

Por fim, Fátima Daudt garantiu que ninguém irá acabar com a cultura enquanto ela estiver administrando a cidade. “A frase – o difícil, fazemos na hora; o impossível pode demorar um pouco mais – pode muito bem caracterizar nossa administração, que foi de importantes realizações, muitas delas resgatando pendências que estavam paradas há anos, como é o caso desta obra. A cidade também precisa de cultura, além de educação, segurança, saúde. Vamos lutar por tudo, pois Novo Hamburgo merece”, disse a prefeita, lembrando ainda o fato de Novo Hamburgo ter o Conselho Municipal de Educação mais antigo do Brasil, o que mostra o quanto a educação é importante para a cidade.

Prédio  

O prédio abrigará a estrutura administrativa da Secretaria Municipal de Cultura, que hoje funciona no Centro de Cultura, justamente para levar mais atividades e proporcionar circulação de mais pessoas no Centro Histórico de Hamburgo Velho, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan), incluindo o imóvel, em 2015.

Localizada na Av. Maurício Cardoso, a edificação de 1.070 metros quadrados consiste em um prédio de quatro andares e um anexo de três. O investimento total foi de cerca de R$ 2 milhões oriundos de recursos próprios da Prefeitura. “O antigo Lar da Menina é um exemplo de resgate e fico muito feliz de trazer de volta um pedacinho do passado para a população. Os profissionais envolvidos foram muito dedicados e tudo foi acompanhado por técnicos do Iphan”, lembrou Raizer Ferreira, secretário de Obras Públicas, Serviços Urbanos e Viários, pasta que executou as obras.
As melhorias no prédio principal, com mais de 677 metros quadrados, incluíram a colocação de esquadrias na fachada, revestimentos e pinturas internas, forros, novo reboco e pintura, instalações elétricas, hidráulicas e de ar-condicionado, bem como pavimentações internas e elevador, além da conexão de 92,63 metros quadros com o prédio anexo, de 299,93 metros quadrados.

Pendência 

As obras de restauração começaram em 2013. Em fevereiro de 2014, foi paralisada depois de deflagrada a Operação Capivara, que apurou supostas fraudes em licitações de construtoras, incluindo a que era responsável pela obra.
Logo depois, o contrato com a empresa foi anulado e a restauração permaneceu interrompida.
Após tratativas e encontros com técnicos do Iphan e também com o Ministério Público, em abril de 2019 a obra foi retomada, depois de quase seis anos de paralisação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − treze =