O fomento à intersetorialidade para qualificar a oferta de políticas públicas

Postado por Ari Schneider  /   outubro 19, 2018  /   Postado em Geral  /   Nenhum comentário

Secretário Roberto Jungthon falou sobre o componente de prevenção à violência do PDMI

A coleta e análise de dados criminais e sociais para que os gestores municipais, num processo de intersetorialidade, possam planejar e implementar políticas públicas que melhorem a oferta de serviços ao cidadão. Ênfase do 1º Workshop Desenvolvimento do Conceito de Intersetorialidade sob a ótica do Observatório de Segurança de Novo Hamburgo.

Ocorrido na quarta-feira, dia 17, no auditório do Centro Administrativo Leopoldo Petry, o evento reuniu gestores e servidores da Segurança e de diferentes Secretarias do Município. Os painelistas e debatedores foram o ex-secretário nacional de Segurança Pública, José Vicente Santos Filho, e o ex-comandante geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel Carlos Alberto de Camargo. Ambos, trabalham para a consultoria paulista KPMG, parceira da Secretaria Municipal de Segurança em um dos projetos do componente Prevenção à Violência, que integra o Programa de Desenvolvimento Municipal Integrado. “A importância desse evento é o de aproximação de todos os setores do Executivo, para falarmos, ouvirmos e trocarmos informações”, disse o vice-prefeito, Dr. Antônio Fagan, representando a prefeita Fátima Daudt, na abertura dos trabalhos. Secretário Municipal da Segurança, Roberto Jungthon ressaltou que um exemplo da intersetorialidade é o próprio PDMI, que engloba os eixos de Revitalização Urbana, Desenvolvimento Econômico e Prevenção à Violência. “E no componente de Prevenção à Violência temos um total de sete projetos, que agregam as pastas da Segurança, Educação, Cultura, Esporte e Lazer e Desenvolvimento Social em oficinas de esporte, lazer, cultura, formação laboral e justiça restaurativa, entre outras, que chegarão a mais de 4 mil cidadãos hamburguenses. Um desses projetos é o do Observatório de Segurança, que institucionaliza esse processo de coleta e análise de dados, de informações e conhecimentos relativos às dinâmicas que resultem em violência, mas que perpassam a segurança e envolve diferentes setores”, assinalou.

Jungthon observou ainda que dentro da ideia de intersetorialidade é preciso mensurar indicadores que permitam aos gestores compartilhar e assumir uma visão sistêmica, possibilitando um permanente alinhamento de percepções e práticas.

Em sua abordagem, José Vicente Santos Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública na gestão Fernando Henrique Cardoso, destacou a relevância da análise criminal como fator que permite, estrategicamente, articular respostas mais eficazes. “Pois clareia qual o tamanho dos problemas a serem enfrentados e onde o crime e a violência estão localizados”, sintetizou. Já Carlos Alberto de Camargo, em sua participação, enfatizou para os indicadores sociais também trazidos no trabalho desenvolvido pelo Observatório de Segurança e definiu o Gabinete de Gestão Integrada (GGI) Municipal como fórum ideal para a articulação das políticas públicas a serem desenvolvidas a partir da coleta dos dados criminais e sociais.

Ao final do evento ocorreu uma mesa de debates entre os painelistas, respondendo a perguntas feitas pelo público presente.

Postar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

7 − 5 =

%d blogueiros gostam disto: