Moção pede liberação do Samu a partir de chamados emergenciais de forças de segurança

Postado por Ari Schneider  /   agosto 03, 2018  /   Postado em Geral  /   Nenhum comentário

Proposta da vereadora Patricia Beck foi aprovada por unanimidade

 

 

 

 

 

 

 

 

A Câmara de Novo Hamburgo aprovou por na última segunda-feira, 30 de julho, moção de apelo à Secretaria Estadual de Saúde para que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência seja temporariamente liberado na região para o atendimento direto aos chamados de urgência e emergência feitos por forças de segurança, como as guardas municipais, Corpo de Bombeiros, Brigada Militar e Polícia Civil. O pedido considera o crescimento da demanda na área devido ao aumento do número de acidentes e da violência urbana.

O texto ressalta que o atendimento móvel garante uma primeira atenção qualificada e resolutiva, a estabilização do paciente e a referência adequada dentro do Sistema Único de Saúde. Patricia aponta, contudo, as diversas queixas da população quanto ao atraso na resposta aos chamados de Novo Hamburgo e região, especialmente em razão do quadro reduzido de funcionários da Central de Regulação do Samu, com sede em Porto Alegre.

“Esse serviço foi criado justamente para encurtar o tempo entre o paciente e a porta da emergência de um hospital. Os grandes profissionais do Samu dão uma chance a mais de sobrevivência aos pacientes. Mas temos recebido muitas reclamações sobre a demora no atendimento telefônico. O que acontece é que houve uma demissão em massa dos médicos reguladores. Recebemos a informação de que o governador do Estado já abriu 50 vagas emergenciais, para as quais ainda não havia nem 15 inscritos. As pessoas ficam penduradas no telefone porque há pouca gente para atender as demandas na central de regulação”, explicou a vereadora, que justificou o que pretende com a aprovação da moção.

Cópias da Moção nº 17/2018 serão entregues ao governador José Ivo Sartori e ao secretário estadual da Saúde, Francisco Paz.

“A nossa intenção é fazer uma mobilização na região para que os órgãos de segurança tenham condições de atestar que as pessoas precisam do Samu, servindo como autorização para a saída dos funcionários para o atendimento, sem necessidade da mediação pela Central de Regulação. Já há sinalização positiva dentro da Secretaria de Saúde do Estado para isso. Eles compreenderam e se colocaram à disposição para tomar uma medida temporária nesse sentido, já que consideram sua implantação definitiva impossibilitada por portaria do Ministério da Saúde”, complementou.

Postar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

1 × 5 =

%d blogueiros gostam disto: