Contaminação em grande escala no arroio Estância

Postado por Ari Schneider  /   fevereiro 19, 2018  /   Postado em Geral  /   Nenhum comentário

Bombeamento de efluentes tóxicos e resíduos de curtume foram constatados

Na última segunda-feira, 12, por volta das 15h, a Guarda Municipal e o secretário Municipal do Meio AmbienteEdenilson Klaus, foram até o ponto 13 do Arroio Estância Velha, no Bairro das Rosas, para verificar a denúncia que receberam. No local confirmaram a denúncia e encontraram um bombeamento de efluentes tóxicos no arroio. Um homem, que estava despejando os efluentes dos tanques da massa falida Curtume Bender foi preso em flagrante. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia (DPPA) de São Leopoldo. 

No momento do crime, havia uma bomba ligada que estava fazendo a sucção do antigo tanque de tratamento de efluentes direto para o arroio. No dia seguinte, a coloração da água já não era mais a mesma e o odor estava bem forte. Na quarta-feira ainda dava para notar a sujeira no local. 

Conforme Klaus, por volta das 18h do dia da denúncia, o chorume já havia se espalhado por quase 5km. “Todo esse dejeto vai para a Bacia do Rio dos Sinos e é altamente contaminante, porque tem resíduos de couro e alguns metais. Infelizmente não tem o que fazer na água, pois vai sendo levada. Onde a sujeira passou, pode ter matado seres vivos que estavam na água”, explica. 

Foi realizada ainda na segunda-feira uma análise do ponto do bombeamento no arroio e no tanque. O material coletado foi encaminhado ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Estância Velha para um estudo químico mais aprofundado e levará aproximadamente 20 dias para ser finalizado. A Semape está fazendo um relatório para enviar ao Ministério Público (MP) e a Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luís Roessler (Fepam), que é responsável pela liberação do licenciamento da empresa que estava realizando o trabalho na massa falida. 

Todas as semanas é feito um monitoramento em toda a extensão do arroio pelos técnicos da Semape. “Esse desastre que aconteceu custa caro para o nosso arroio, que vem se recuperando. Quando ocorrem esses grandes descartes, retrocedemos muito. Imaginamos que daqui a algum tempo esse arroio vai ter vida de novo”, opina o secretário.

Postar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

11 − dez =

%d blogueiros gostam disto: