Paleotoca é encontrada em Estância Velha

Postado por Ari Schneider  /   Janeiro 22, 2018  /   Postado em @destaque-texto  /   Nenhum comentário

Na última segunda-feira, 15, uma reunião no gabinete da prefeita teve uma pauta especial: a descoberta de duas paleotocas no Bairro Bela Vista, uma delas com cinco metros de profundidade e outra com 30 metros, ambas com 1,40m de diâmetro. A reunião teve por objetivo ouvir a avaliação do professor e geólogo da Universidade Federal do Rio do Grande do Sul (UFRGS), Heinrich Theodor Frank sobre a descoberta. 

Segundo ele, o túnel foi cavado por uma preguiça gigante, um animal com peso variando de 800 kg até 5 toneladas. Há também quem acredite que possa ser um tatu gigante. “Esta é uma toca bastante representativa e típica nesta região, onde há cerca de quatro paleotocas com este diâmetro. É difícil de ser encontrada, mas é relativamente frequente e característica nesta região. A sorte é que as águas não encheram esta toca até em cima. Isto é muito bom, porque quando acontece, criam-se cascas de argila nas paredes, escondendo tudo”, complementa. 

O estudo feito na paleotoca foi aprovado pela Fundação de Ciência e Tecnologia do Estado (CIENTEC), pela Secretaria de Planejamento Urbano (SEPLUR) e pela Secretaria do Meio Ambiente e Preservação Ecológica (SEMAPE). O Município vai preservar o local, que será resguardado para uso em pesquisa científica e, além disso, também será construída uma cerca de proteção para ampliar a preservação. 

Estavam presentes o professor e geólogo da Universidade Federal do Rio do Grande do Sul (UFRGS), Heinrich Theodor Frank; o secretário Municipal de Planejamento Urbano, Carlos Weber e equipe técnica; o secretário Municipal do Meio Ambiente e Preservação Ecológica, Edenilson Klaus e equipe técnica; proprietários do terreno próximo; representante da Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan); além do representante da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e do Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo de Estância Velha, Henrique Dientsmann.

Postar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

2 × 2 =